5 aplicações da impressão 3D na indústria

A chegada da impressão 3D à indústria revolucionou os processos produtivos tradicionais. Desde o uso como tecnologia alternativa na fabricação de protótipos, passando pelo desenvolvimento de produtos, a indústria encontrou na impressão 3D um aliado de peso. Os efeitos, até aqui, são positivos.

Os principais ganhos foram a redução de custos e a conquista de mais autonomia na condução de alguns processos, sem a necessidade de recorrer ao maquinário industrial. Se antes as aplicações da impressão 3D ficavam restritas à produção em pequena escala, hoje vemos um movimento em direção ao uso desses equipamentos por grandes empresas, como as do setor automobilístico e de aviação, por exemplo. Mas quais são as aplicações possíveis na indústria? É o que você confere a seguir:

1) Desenvolvimento de produtos

A impressão 3D chegou para atender às necessidades da indústria moderna oferecendo agilidade e eficiência na produção de bens de consumo para diversos setores da economia. Joias, próteses, objetos decorativos e brinquedos. Muitos produtos puderam ser impressos diretamente sem a necessidade do maquinário industrial. É uma grande evolução em relação ao se conhecia até então. Uma quebra de paradigmas que afeta diretamente a cadeia produtiva. Os equipamentos de impressão 3D atuais podem criar desde objetos mais simples até os mais complexos, de maneira rápida e mais barata. Um ganho e tanto para a indústria tradicional.

2) Prototipagem

A construção de protótipos tem sido uma das atividades mais frequentemente utilizadas pelas indústrias quando o assunto é impressão em 3D. Os modelos fabricados pelo método tradicional levam mais tempo e são mais caros. A impressão 3D veio para oferecer uma alternativa a esse processo e o principal: reduzir custos. Empresas de diversas áreas de atuação têm usado esse método, resultando em modelos mais baratos e pondo fim ao desperdício de matéria-prima.

3) Prototipagem funcional 

A prototipagem funcional foi outra importante atividade de produção que se beneficiou com a tecnologia de impressão em 3D. O processo é usado na fabricação de protótipos com o propósito de ajustar possíveis deficiências no desempenho do produto, como erros de funcionalidade ou até de ergonomia. A impressão 3D foi um grande ganho para as empresas nesse processo, pois permitiu a validação de produtos antes de enviá-los à matriz para, em seguida lançá-los ao mercado.

4)Impressão de gabaritos de montagem 

Não foi apenas no desenvolvimento de produtos e na prototipagem que as indústrias obtiveram ganhos com a impressão 3D. A possibilidade de impressão de gabaritos de montagem também foi beneficiada. Os gabaritos de montagem são ferramentas essenciais no processo de produção que agora também têm a opção de serem criados nas impressoras 3D. 

5) Fabricação rápida de pequenos lotes de peças

Muitas vezes, para um pequeno lote de peças, não convém às empresas desenvolverem moldes para a injetora, por tratar-se de um processo bastante caro. Nesse sentido, a impressão 3D vem a calhar, pois as impressoras podem fabricar algumas unidades de um produto específico para atender às necessidades pontuais da indústria, sem recorrer a processos de modelagem.

 

pecas-industrias-3d-cliever

Trajetória da Cliever é destaque em matéria sobre startups gaúchas em ascensão

Quando o assunto é empreender, o Rio Grande do Sul ocupa lugar de destaque entre iniciativas que começaram embrionárias e, aos poucos, tomaram forma e ganharam corpo nos mais variados segmentos. Empresas que começaram com uma pequena ideia mas que, ao oferecer soluções para problemas do dia a dia, sejam eles enfrentados por pessoas ou outras empresas, conquistaram mercado e se expandiram. Grande parte delas são de startups, ideias de negócios quase que integralmente digitais, sem um local fixo para se estabelecer.

Foi assim que surgiu a Cliever, fruto do projeto Raiar, incubadora de empresas da TecnoPUC, em Porto Alegre. Após 4 anos de muita dedicação e esforços para desenvolver o negócio, hoje a empresa ocupa um prédio de 500m² divididos em área industrial e administrativa, na zona norte de Porto Alegre, e já oferece ao mercado cinco modelos de impressoras 3D com tecnologia de fabricação por filamento fundido e estereolitografia.

O crescimento da empresa e o destaque ocupado nacionalmente no segmento de impressão 3D, foi pauta para matéria do Jornal Zero Hora (leia a matéria na íntegra aqui) que versou sobre os sonhos e desafios dos criadores de startups no Rio Grande do Sul. Nela, o fundador e CEO da Cliever, Rodrigo Krug, revela um pouco do início da empresa e do tempo em que precisou arrecadar investimentos para a sua até então desconhecida startup.

Na reportagem, Krug fala da projeção de faturamento da empresa para 2016: R$ 2,4 milhões, inclusive com vendas para companhias como a Embraer. Mas o início, em busca de investidores, não foi fácil: “Bati na porta de todos os bancos. Eu tinha apenas um protótipo e uma empresa que era eu, sozinho. Para conseguir meu primeiro investimento, fui 15 vezes para São Paulo. Aqui no Sul, não havia fundos. Quiseram investir na gente um ano e meio depois”, conta.

2012: um marco importante na trajetória da Cliever

Foi em 2012 que a Cliever deu os primeiros passos em busca de projeção nacional. Krug apresentou pela primeira vez na Campus Party, em São Paulo, maior evento de tecnologia da América Latina, uma máquina de impressão tridimensional desenvolvida por ele, em casa.

Sem pensar muito, pegou sua impressora 3D e a levou para uma feira de empreendedorismo dentro do evento. Falou com jornalistas especializados em tecnologia como se estivesse com tudo planejado. Não tinha nada. Ele nem havia estabelecido um preço para o produto. Quando perguntado, falou o que veio à cabeça: R$ 4,5 mil. “Conseguimos chegar na hora certa, com o produto certo, vendendo uma impressora a menos de R$ 5 mil, que na época tinha apenas uma concorrente fora do Brasil, com produto que custava R$ 60 mil. Esse preço foi um erro absurdo para a empresa, mas talvez se eu tivesse colocado mais, não teria dado aquele boom”, relembra.

Das vantagens de negociar impressoras 3D para o mercado interno, Krug ressalta que o produto se torna competitivo, pois as máquinas importadas chegam aqui com valores mais elevados devido aos tributos e ao câmbio. Daqui para diante, a principal aposta da empresa é se tornar grande em exportação.

5 dúvidas que todo mundo tem sobre impressão 3D

As impressoras 3D chegaram para revolucionar os processos de impressão. Seja para fins domésticos ou industriais, a tecnologia de impressão 3D ganhou relevância e promete estar cada vez mais presente no dia a dia das pessoas.

Quando falamos em impressoras 3D, porém, muitas dúvidas vêm à tona. O que é normal, afinal a tecnologia é relativamente recente e ainda pouco explorada, apesar de ter se popularizado muito nos últimos anos.

Se você pensa em adquirir uma impressora 3D da Cliever, seja para empreender, para uso doméstico ou em larga escala, listamos a seguir algumas dúvidas que podem surgir na hora da compra. Confira:

1) É simples operar uma impressora 3D?

Assim como na impressão convencional, quando formatamos o arquivo no computador, abastecemos a impressora com papel e aguardamos o documento final, na impressão 3D o que muda é a matéria-prima e o software usado para criar o projeto. O processo, como um todo, é simples. As impressoras podem ser operadas por qualquer pessoa sem grande complexidade. Ter conhecimento prévio de softwares de edição pode ajudar na hora de projetar os objetos a serem impressos. Veja nesse vídeo o passo a passo para operar a Cliever CL2 Pro.

 2) Qual é a matéria-prima necessária para impressão?

São diversos os tipos de filamentos encontrados no mercado e que podem ser usados no equipamento. Cada material apresenta características peculiares que influenciam diretamente na resistência, flexibilidade e acabamento dos objetos. Os dois filamentos mais usados na impressão 3D são o PLA e o ABS.

3) Qual o tempo estimado para a impressão de um produto?

A impressão 3D pode levar de poucos minutos a algumas horas. Em linhas gerais, o que vai determinar esse tempo é o tamanho e a definição do objeto e, claro, o tipo de impressora usada. O processo é um pouco lento, pois segue a dinâmica da sobreposição de camadas. No caso da impressora estereolitográfica, o processo é outro, pois no lugar dos filamentos, entra a resina líquida na concepção das peças.

4) Que tipos de objetos podem ser impressos?

A variedade de objetos que podem ser fabricados é bastante extensa.  Por isso a impressão 3D tem se tornado uma fonte rentável para pessoas que pensam em empreender. É possível ter uma pequena produção caseira em casa, com destaque para joias, esculturas, miniaturas e objetos decorativos. Na indústria, as impressoras 3D podem fabricar próteses, protótipos de produtos, peças para máquinas, entre outros inúmeros produtos.

5) É possível imprimir em mais de uma cor?

Sim, existe essa possibilidade. Para isso, você precisa fazer uso de uma impressora com dois extrusores, ou seja, duas cabeças de impressão. Cada extrusor pode trabalhar com um filamento de cor diferente, garantindo a produção de objetos com até duas cores ao mesmo tempo.

O que devo considerar antes de comprar uma impressora 3D?

Está planejando comprar impressora 3D? Então esse post é dedicado a você! Antes de qualquer negociação, vale a pena ficar atento a uma série de itens para fazer a melhor escolha. Por mais que a tecnologia de impressão 3D tenha se disseminado muito no Brasil nos últimos anos, é normal que surjam algumas dúvidas pontuais sobre as características desses equipamentos.

Entre os fatores que devem pesar na hora de comprar impressora 3D, vale avaliar os prós e contras de cada modelo, custos com a compra de filamentos e também requisito técnicos. E o mais importante: não esqueça de avaliar em que medida a impressão em 3D pode ser útil para seus projetos pessoais e profissionais para que o investimento possa valer a pena.

As vantagens no uso das impressoras 3D são inúmeras, dentre elas: criação de objetos customizados e personalizados, desenvolvimento de protótipos sem a necessidade de maquinário industrial, entre outras diversas aplicações. Para atender as suas necessidades, cabe avaliar o melhor equipamento, previamente, para não cair no erro de comprar um modelo aquém de suas expectativas.

Itens importantes que devem ser considerados:

# Área de impressão: esse é um item importante, pois permite ter uma ideia do tamanho das impressões que você vai poder projetar, seja em largura, altura e também profundidade dos objetos.

# Tecnologia de impressão: essa característica está intrinsecamente relacionada ao tipo de filamento usado. Das tecnologias mais comumente encontradas, estão a impressão por filamento fundido e a estereolitográfica, que utiliza a resina líquida como matéria-prima.

# Material/insumo: esse item diz respeito ao tipo de filamento que cada impressora comporta. Dos mais conhecidos, temos o PLA, filamento de poliéster, ABS e a resina líquida. Falamos sobre esse assunto em outro post do blog, que pode ser acessado aqui.

# Número de extrusores: refere-se ao número de cabeças de impressão. Impressoras com mais de um extrusor são capazes de imprimir duas cores simultaneamente.

# Outros itens também merecem atenção, tais como: a procedência do equipamento, a qualidade de acabamento dos objetos impressos e a precisão dimensional.

Para te ajudar na compra da impressora 3D ideal para os seus objetivos, elencamos a seguir casos de aplicação dessa tecnologia em diversos segmentos de atuação. Nossa proposta é que esses exemplos possam servir como referência para você decidir pela impressora 3D Cliever mais adequada para o seu negócio. Confira:

Arquitetura

Impressora recomendada: CL2 Pro Plus 

Na Arquitetura, as impressoras 3D são usadas, geralmente, para a impressão de maquetes, plantas industriais e peças que simulam estruturas construtivas. Estes projetos necessitam de uma grande área de impressão.

As impressoras empregadas em projetos arquitetônicos devem ter a capacidade de imprimir peças inteiras, a fim de evitar trabalhos de corte e colagem. A praticidade no uso é outro ponto importante a ser considerado, pois normalmente quem opera o equipamento não é especialista em impressão 3D.

A maior vantagem da impressão 3D na Arquitetura é contribuir na venda e também na readequação de projetos, permitindo que as maquetes possam ser impressas várias vezes por decorrência de alterações de planta. Também é um excelente diferencial ao apresentar uma perspectiva palpável aos clientes.

Desenvolvimento de produtos

Impressora recomendada: CL2 Pro 2 extrusores e SL1

A impressão 3D tem a grande vantagem de acelerar o processo de desenvolvimento de novos produtos e, com isso, lançá-los em um espaço mais curto de tempo no mercado. É possível imprimir protótipos, realizar as correções necessárias sem depender de empresas terceirizadas.

Para essa aplicação, a exigência é de um equipamento que permita múltiplas alternativas de impressão. Imprimir em duas cores ou com alguns tipos de materiais (PLA ou FLEX) permite uma percepção mais realista de como será o produto final.

Precisão dimensional e qualidade de acabamento também são fatores importantes para o time de desenvolvimento. A impressora SL1 da Cliever pode ser uma excelente opção para o desenvolvimento de peças de pequeno porte.

Engenharia de Produção

Impressora recomendada: CL2 Pro Plus 

Para esta aplicação, a impressora 3D cumpre a função de servir como ferramenta de apoio ao processo de produção. O equipamento deve ser capaz de criar peças críticas, que em outras condições demandariam muito tempo para serem produzidas; gabaritos de montagem, que ajudam a equipe de produção a produzir mais; e peças para reparo rápido dos equipamentos de produção. Essas são algumas das aplicações que podem fazer valer o investimento de um equipamento mais robusto.

Empreendedorismo

Impressora recomendada: CL2 Pro 1 extrusor ou a impressora CL1 Black

Ter um equipamento prático e relativamente barato para poder realizar projetos que há muito tempo estavam engavetados. Quem não quer? A impressão 3D pode ser uma excelente fonte de renda para quem busca empreender por conta própria. Por permitir a fabricação de diversos produtos em casa, sem a necessidade de acessar a linha de produção de uma indústria, qualquer um pode contar com as facilidades da impressão 3D e dar asas a projetos rentáveis.

Universidade e Escolas Técnicas

Impressora recomendada: CL2 Pro 2

Com a tecnologia de impressão em 3D, acadêmicos e estudantes de escolas técnicas podem transformar projetos em algo concreto, palpável. Isso permite fazer adaptações, corrigir erros e aprimorar a técnica ainda durante a sua formação. O emprego dessa tecnologia abre a possibilidade de produzir modelos 3D realistas em miniatura que podem muito bem servir para estudantes de diversos cursos de Graduação, por exemplo, como arquitetura e engenharia. Para saber mais sobre impressão 3D na educação, BAIXE AQUI o nosso ebook sobre o tema.

Esperamos que essas informações possam ser úteis para a sua tomada de decisão. Se você está mais seguro para adquirir sua impressora 3D, aproveite para conferir os modelos da Cliever aqui. Qualquer dúvida a mais, entre em contato conosco. Estamos a postos para melhor atendê-lo.

Novidade: Cliever apresenta ao mercado impressora 3D com tecnologia de estereolitografia na Euromold Brasil

De 17 a 19 de agosto, a Cliever participa, em Joinville (SC), de mais uma edição da Feira Mundial de Construtores de Moldes e Ferramentas, Design e Desenvolvimento de Produtos, a EuroMold Brasil. Na oportunidade, a empresa apresenta ao mercado mais um lançamento de sua linha de impressoras 3D: o modelo SL 1, com tecnologia estereolitográfica. A novidade permite a impressão de protótipos pequenos e mais complexos, com muito mais precisão, eficiência e perfeição.

A impressora 3D SL 1 da Cliever tem como base a foto-polimerizacão de resina acrílica. Esse tipo de tecnologia viabiliza a criação de peças com até 30um (mícron) de precisão, o equivalente a cerca de ⅓ de um fio de cabelo. O novo equipamento fabricado pela Cliever é ideal para a criação de protótipos para os setores automotivo, plástico, de engenharia e de embalagens.

O CEO da Cliever, Rodrigo Krug, assinala que o lançamento da SL 1 reforça o compromisso da empresa em contribuir com a implementação da prototipagem no processo de manufatura, ao elevar os patamares de qualidade e eficiência do produto final. “São muitos os mercados que, a partir de agora, poderão desfrutar dessa tecnologia de ponta. Como o equipamento é abastecido por uma resina diferenciada e produzida por fornecedores nacionais, tem propriedades mecânicas e térmicas peculiares, o que amplia e muito o leque de aplicações”, explica.

A Cliever convida a todos os visitantes da Euromold Brasil 2016 a conhecerem essa novidade no estande da empresa na Feira. Aguardamos todos vocês lá!

Na mídia: Cliever é destaque no Jornal Diário de Pernambuco

A Cliever foi uma das fontes ouvidas pelo Diário de Pernambuco em matéria publicada pelo jornal sobre tecnologia de impressão em 3D. Para demonstrar as possibilidades dessa tecnologia e a transformação que as 
impressoras 3D
trouxeram para os processos de produção, o veículo entrevistou o CEO da Cliever, Rodrigo Krug.

Na ocasião, Rodrigo também falou sobre as perspectivas da empresa para o mercado do Nordeste, que representa, hoje, 8% do volume de negócios da Cliever. Nesse cenário, Pernambuco aparece como o 3º estado com maior representatividade na região, com 13% de participação.

Sobre o aumento da procura por impressoras 3D, Krug observou que esse comportamento tem relação com os preços dos equipamentos que, segundo ele, ficaram mais acessíveis desde o boom dessa tecnologia no Brasil. “Já temos em nosso portfólio pequenas máquinas de R$ 5,8 mil até as mais profissionais que chegam a custar R$ 32 mil. Com elas, é possível explorar mercados iniciais, startups e até médias empresas. O custo de produção é muito pequeno e os setores são inúmeros. Com uma máquina dessas, pode-se produzir acessórios, objetos decorativos, peças automobilísticas e até próteses”, assinala Krug.

Para ampliar a penetração no mercado nacional de impressoras 3D, e especialmente em Pernambuco, Krug enfatizou que a empresa tem buscado parcerias com grandes indústrias e hospitais na região. “Temos interesse em parceiros no polo de Goiana, em Suape, no Porto Digital e no C.E.S.A.R. Queremos desenvolver novas possibilidades para essa tecnologia e sabemos que Pernambuco é o local certo para isso”, completou.

Lindas decorações de Páscoa que você pode imprimir

A páscoa está chegando e a Cliever não podia ficar de fora desta data tão especial. Que tal conferir essa galeria linda, cheia de decorações maravilhosas, todas impressas em 3D que preparamos para você?

daeff039e77ad7e1f8204b8203e153c2

Que tal esta cesta de ovos decorativos? Fica um lindo arranjo para usar no almoço de domingo não é?

d0052602a5c14058ef38961205ebfc2a

Estes coelhinhos ficam lindos não só como decoração de páscoa, mas podem ser usados como decoração do quarto das crianças depois.

eggpods

E estes potinhos para guardar docinhos que coisa mais linda?

f1c265b1efa4bdc9155f155142c5cd6a

Com uma impressora 3D você pode imprimir qualquer coisa, inclusive forminhas de biscoito personalizadas, olha que linda essa de coelhinho!

b0f5b42158cfc85373d303611ce1f3b1

Essa de ovinhos também está demais!

48a4b8a0567cb48603ac0e1a9ba4276b

Essa coelho pode ser o coelhinho que trará os ovos no dia de páscoa, é só saber o lugar certo para colocá-lo e deixar a imaginação das crianças fazeremo resto do trabalho.

168cc8cf94c95d0308928ad1ff4092d7

Páscoa não é páscoa sem cestinhas para guardar os ovos não é?

315a374acdf4966dad0e60a975ea7262

Incrível como é possível fazer uma decoração linda com alguns ovos e um fio de nylon. Para imprimir esses ovos grandões é melhor ter  uma Cliever CL2 Pro Plus  né? 979b1a69655bb661d5501bb9a0c0f167

E este coelhinho que serve para apoiar o ovo? Lindo demais não é?

Ter uma impressora 3D é ter um mundo de possibilidades, tanto para criar um novo modelo de negócios, como neste caso de objetos decorativos, ou para usar na sua casa e imprimir toda a decoração que você quiser, sem necessidade de enfrentar longas jornadas por lojas diversas para encontrar o que você procura.

5 Negócios que podem gerar mais receita usando uma impressora 3D

Negócios precisam inovar a cada dia para crescer e manter a competitividade.

Em 2015 a Global Entrepreneurship Monitor fez um pesquisa sobre o empreendedorismo no Brasil que obteve o seguinte resultado: A cada 100 brasileiros, 34 possuem um negócio ou estão envolvidos na sua criação. Se comparado a outros países o Brasil tem um índice de empreendedorismo significativo, nossa fatia de habitantes empreendedores é maior que a da China (26,7%), da Índia (10%), dos Estados Unidos (20%), do Reino Unido (17%) e da África do Sul (9,6%). Segundo a mesma pesquisa ter o próprio negócio é o 3º maior sonho dos Brasileiros, perdendo somente para ter a casa própria e viajar.

Continuar lendo