5 dúvidas que todo mundo tem sobre impressão 3D

As impressoras 3D chegaram para revolucionar os processos de impressão. Seja para fins domésticos ou industriais, a tecnologia de impressão 3D ganhou relevância e promete estar cada vez mais presente no dia a dia das pessoas.

Quando falamos em impressoras 3D, porém, muitas dúvidas vêm à tona. O que é normal, afinal a tecnologia é relativamente recente e ainda pouco explorada, apesar de ter se popularizado muito nos últimos anos.

Se você pensa em adquirir uma impressora 3D da Cliever, seja para empreender, para uso doméstico ou em larga escala, listamos a seguir algumas dúvidas que podem surgir na hora da compra. Confira:

1) É simples operar uma impressora 3D?

Assim como na impressão convencional, quando formatamos o arquivo no computador, abastecemos a impressora com papel e aguardamos o documento final, na impressão 3D o que muda é a matéria-prima e o software usado para criar o projeto. O processo, como um todo, é simples. As impressoras podem ser operadas por qualquer pessoa sem grande complexidade. Ter conhecimento prévio de softwares de edição pode ajudar na hora de projetar os objetos a serem impressos. Veja nesse vídeo o passo a passo para operar a Cliever CL2 Pro.

 2) Qual é a matéria-prima necessária para impressão?

São diversos os tipos de filamentos encontrados no mercado e que podem ser usados no equipamento. Cada material apresenta características peculiares que influenciam diretamente na resistência, flexibilidade e acabamento dos objetos. Os dois filamentos mais usados na impressão 3D são o PLA e o ABS.

3) Qual o tempo estimado para a impressão de um produto?

A impressão 3D pode levar de poucos minutos a algumas horas. Em linhas gerais, o que vai determinar esse tempo é o tamanho e a definição do objeto e, claro, o tipo de impressora usada. O processo é um pouco lento, pois segue a dinâmica da sobreposição de camadas. No caso da impressora estereolitográfica, o processo é outro, pois no lugar dos filamentos, entra a resina líquida na concepção das peças.

4) Que tipos de objetos podem ser impressos?

A variedade de objetos que podem ser fabricados é bastante extensa.  Por isso a impressão 3D tem se tornado uma fonte rentável para pessoas que pensam em empreender. É possível ter uma pequena produção caseira em casa, com destaque para joias, esculturas, miniaturas e objetos decorativos. Na indústria, as impressoras 3D podem fabricar próteses, protótipos de produtos, peças para máquinas, entre outros inúmeros produtos.

5) É possível imprimir em mais de uma cor?

Sim, existe essa possibilidade. Para isso, você precisa fazer uso de uma impressora com dois extrusores, ou seja, duas cabeças de impressão. Cada extrusor pode trabalhar com um filamento de cor diferente, garantindo a produção de objetos com até duas cores ao mesmo tempo.

Impressão em 3D: qual tipo de filamento devo usar?

Para quem usufrui da tecnologia de impressão 3D, seja para a aplicação em projetos pessoais ou profissionais, sempre vem a dúvida: qual o melhor filamento na hora de imprimir? A escolha depende muito dos objetivos da impressão, isso porque a depender da qualidade do objeto a ser impresso, um material pode ser melhor empregado do que outro.

Aqui vale uma observação: é preciso analisar o tipo de filamento que cada impressora suporta, e esse fator deve ser considerado já no momento da compra do equipamento. As impressoras estereolitográficas, por exemplo, que imprimem objetos menores e mais complexos com mais precisão e eficiência, utilizam como material apenas a resina líquida.

Para esclarecer eventuais dúvidas sobre as diferenças existentes entre os diversos tipos de materiais encontrados no mercado, convidamos você a acompanhar a leitura deste post e, assim, fazer a melhor escolha. Confira abaixo as características de cada opção:

PLA = O mais indicado para impressão 3D, ele é um filamento biodegradável e atóxico, é produzido a partir de fontes renováveis como a cultura de milho, mandioca e beterraba. Por ter essa característica, é um produto ecologicamente aceito. O PLA tem a grande vantagem de deformar menos a peça, evitando o efeito wrap (encolhimento sofrido pela peça em caso de perda repentina de temperatura). Por ser simples de utilizar, o PLA é o que apresenta o melhor resultado para peças de grandes dimensões. Também tem como vantagem não emitir qualquer odor ou gás durante o processo de extrusão.

Filamento de poliéster (Flexível) = bastante flexível e com um ponto de extrusão baixo, o filamento de poliéster é indicado para a impressão de peças que exigem maleabilidade. Capas para celular podem ser um bom exemplo aplicação. Algumas vantagens desse material é que ele não é tóxico, não absorve água e é mais tolerante com a umidade do ambiente.

Resina líquida = apesar de não ser um filamento propriamente dito, a resina líquida é a matéria-prima que abastece as chamadas impressoras esteriolitográficas. Nesse processo, o objeto criado emerge em meio líquido, diferente das impressoras 3D mais tradicionais que depositam camada por camada de plástico.

ABS = filamento leve e rígido, o Acrilonitrila butadieno estireno (ABS) é derivado do petróleo, sendo menos ecologicamente aceito do que os demais, por emitir gases tóxicos durante o processo de extrusão.

Agora que você conhece um pouco mais sobre os tipos de filamentos para impressão 3D existentes, faça a escolha de acordo com a finalidade dos seus projetos! Para prestar qualquer tipo de esclarecimento a mais, a Cliever se coloca à disposição para contribuir. E não esqueça: em nosso site você encontra uma sessão especial com uma gama variada de alguns materiais. É só clicar aqui.