Fab Labs: espaços de inovação invadem o universo da educação

Você já ouviu falar em Fab Lab? Como a própria tradução do inglês sugere, são espaços que funcionam como laboratórios de fabricação. O que se sabe é que esse conceito teria surgido no Center for Bits and Atoms (CBA) do Massachussets Institute of Technology (MIT), durante as aulas da disciplina How to do (almost) anything,

Mas qual é a finalidade exata desses laboratórios? Em síntese, funcionam como espaços em que pessoas de diversas áreas se reúnem para realizar projetos de fabricação digital de forma colaborativa e de compartilhamento de conhecimento que personaliza a cultura maker, o famoso Faça Você Mesmo.

O que tem se notado é a expansão dos Fab Labs no âmbito educacional, no intuito de despertar a criatividade, o espírito inventivo e a inovação dos alunos. Até há pouco tempo esses espaços eram frequentados em sua maioria por profissionais com vocação para o empreendedorismo. Os Fab Labs fomentam uma educação técnica informal, onde projetos são concebidos no computador e depois materializados em 3D, especialmente com o uso de impressoras 3D.

Esse movimento tem se mostrado mais acelerado em países de primeiro mundo, mas ganha força também no Brasil. Isso porque a impressão 3D tem demonstrado ser uma das principais tendências educacionais para os próximos anos, enaltecendo o uso de tecnologias inovadoras nos espaços escolares.

Sabemos que há ainda um longo caminho a trilhar, mas os Fab Labs podem, num futuro muito próximo, ampliar a presença em muitas instituições de ensino com potencial para mudar os métodos tradicionais de ensino.

Recentemente, a Cliever produziu um ebook sobre aplicações da impressão 3D na Educação. Nele, você encontra diversos exemplos de como a tecnologia 3D tem sido utilizada em escolas, instituições de ensino técnico, universidades e na pesquisa científica. Para baixar o material, basta clicar nesse link.