Impressão em 3D: qual tipo de filamento devo usar?

Para quem usufrui da tecnologia de impressão 3D, seja para a aplicação em projetos pessoais ou profissionais, sempre vem a dúvida: qual o melhor filamento na hora de imprimir? A escolha depende muito dos objetivos da impressão, isso porque a depender da qualidade do objeto a ser impresso, um material pode ser melhor empregado do que outro.

Aqui vale uma observação: é preciso analisar o tipo de filamento que cada impressora suporta, e esse fator deve ser considerado já no momento da compra do equipamento. As impressoras estereolitográficas, por exemplo, que imprimem objetos menores e mais complexos com mais precisão e eficiência, utilizam como material apenas a resina líquida.

Para esclarecer eventuais dúvidas sobre as diferenças existentes entre os diversos tipos de materiais encontrados no mercado, convidamos você a acompanhar a leitura deste post e, assim, fazer a melhor escolha. Confira abaixo as características de cada opção:

PLA = O mais indicado para impressão 3D, ele é um filamento biodegradável e atóxico, é produzido a partir de fontes renováveis como a cultura de milho, mandioca e beterraba. Por ter essa característica, é um produto ecologicamente aceito. O PLA tem a grande vantagem de deformar menos a peça, evitando o efeito wrap (encolhimento sofrido pela peça em caso de perda repentina de temperatura). Por ser simples de utilizar, o PLA é o que apresenta o melhor resultado para peças de grandes dimensões. Também tem como vantagem não emitir qualquer odor ou gás durante o processo de extrusão.

Filamento de poliéster (Flexível) = bastante flexível e com um ponto de extrusão baixo, o filamento de poliéster é indicado para a impressão de peças que exigem maleabilidade. Capas para celular podem ser um bom exemplo aplicação. Algumas vantagens desse material é que ele não é tóxico, não absorve água e é mais tolerante com a umidade do ambiente.

Resina líquida = apesar de não ser um filamento propriamente dito, a resina líquida é a matéria-prima que abastece as chamadas impressoras esteriolitográficas. Nesse processo, o objeto criado emerge em meio líquido, diferente das impressoras 3D mais tradicionais que depositam camada por camada de plástico.

ABS = filamento leve e rígido, o Acrilonitrila butadieno estireno (ABS) é derivado do petróleo, sendo menos ecologicamente aceito do que os demais, por emitir gases tóxicos durante o processo de extrusão.

Agora que você conhece um pouco mais sobre os tipos de filamentos para impressão 3D existentes, faça a escolha de acordo com a finalidade dos seus projetos! Para prestar qualquer tipo de esclarecimento a mais, a Cliever se coloca à disposição para contribuir. E não esqueça: em nosso site você encontra uma sessão especial com uma gama variada de alguns materiais. É só clicar aqui.